quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Amanhã







amanhã
quando os anjos vierem
abrir o meu peito e dele
saltar um sismo de indagações
refutarei a ideia de acender
uma fogueira de promessas
ao coração

do cimo e do almejado fumo
dessas inquietações
basta que eu respire sem dor
mais uma e outra vez


Salete



domingo, 23 de julho de 2017

Anda comigo







anda comigo um pássaro que descerra
portas e janelas
à procura de um coração de asas

não sei se o que digo o morde
por dentro ou por fora
nem se o vento que por aqui passa
é o que passa lá
mas anda sempre comigo
mesmo quando
no mais equivocado dos verbos
deixo cair todos os gestos

parece apego
mas é só falésia de arrebatamento
que um dia se esvai como se esvai
toda e qualquer ave que se rende
ao lado mais belo do mar

e então estarei só


Salete


sexta-feira, 30 de junho de 2017

À luz mínima








à luz mínima
éramos um caudal em movimento
a absorver
a silhueta invertebrada do dia
como se fôssemos
o último gole de vinho
e no entanto
a garganta sempre em estio
a suscitar a dúvida
a quem nela depositasse
um coração sem recusas
um quase deleite no
quotidiano rumo a uma
constelação de estrelas
uma noite sem planície
repara
éramos bons
em buscar dádivas
onde ninguém mais as via